Empresa mundialmente renomada em proteção antimicrobiana traz ao brasil tecnologia eficiente, duradoura e segura contra bactérias

set 10, 2019


A Microban International oferece sistema que está em conformidade com órgãos reguladores globais e são seguros para uso em produtos no dia a dia.

SÃO PAULO, Brazil (September 10, 2019) -- A Microban International, líder mundial em aditivos antimicrobianos e soluções de controle de odores, desenvolveu tecnologias que oferecem proteção comprovada a produtos antibacterianos e que não representam risco à saúde humana ou ao meio ambiente. Os aditivos desenvolvidos pela multinacional estão registrados na Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA) e têm aprovação da Food & Drug Administration (FDA), referência mundial em controle de alimentos e drogas. As tecnologias são também notificadas com o Regulamento relativo aos produtos biocidas (RPB) na Europa.

Segura para aplicações em produtos, como por exemplo, recipientes para armazenar alimentos e em utensílios domésticos de plástico em todo o mundo. A tecnologia Microban possui ação contínua para inibir a proliferação bacteriana em produtos e superfícies em até 99,9%.

A gerente de desenvolvimento de negócios da Microban, Edna Tanaami, explica que a tecnologia exclusiva Microban® está incorporada na fabricação de produtos de uso diário aqui também aqui no Brasil. “É um processo semelhante a adicionar cor ao plástico, por exemplo. Uma vez que o aditivo antimicrobiano Microban é misturado com a matéria-prima, não sai com a lavagem e nem perde seu desempenho antibacteriano ao longo do tempo. A tecnologia incorporada dura a vida útil esperada do produto plástico”, explica Edna.

Como encontrar a proteção MICROBAN®

Em todo o mundo, grandes marcas e fabricantes estão reconhecendo o valor da incorporação da proteção antibacteriana Microban em produtos e superfícies sensíveis à higiene, incluindo assentos de sanitários, recipientes de armazenamento de alimentos, interruptores de luz e aparelhos de inalação.

A tecnologia Microban é utilizada por mais de 250 empresas como um importante aliado da melhoria da limpeza e do bem-estar, complementando as práticas de limpeza existentes e melhorando a higiene dos produtos.

Edna adverte que “por mais que as pessoas limpem suas casas e se preocupem com a higiene, micróbios e germes que causam manchas, odores desagradáveis e deterioração geral podem tirar a sensação de bem-estar e contaminar ar e objetos, causando degradação prematura do produto, contaminação e até alergias”.

No estado americano da Carolina do Norte, em Huntersville (EUA), a Microban produz os aditivos utilizados por empresas brasileiras, como fabricantes de recipientes de plástico, sacos de lixo e até carrinhos de supermercados. Desde 2004, o Brasil conta com a produção dessa tecnologia de ponta em seu território também.

Durante o processo de fabricação nas indústrias, o insumo importado é adicionado aos produtos. A maioria dos itens com proteção Microban tem a marca da empresa nos rótulos. “Educar o consumidor e torná-lo mais exigente são prioridades da Microban no Brasil. Consumidor que se preocupa com as informações da embalagem, que questiona o fabricante e exige tecnologia com certificação internacional leva para casa produtos mais seguros e que ajudam a garantir o bem-estar da família”, defende Edna Tanaami.

Tecnologia

Devido às preocupações sobre o impacto na saúde humana e no meio ambiente, a Microban opta proativamente por não oferecer nanotecnologias antimicrobianas. Os experientes cientistas e engenheiros da Microban estimam que os estudos mundiais ainda não são suficientes para atestar a segurança das partículas em nanoescala, que são muito menores do que as moléculas já microscópicas. Em vez disso, a multinacional opta por trabalhar com tecnologia antimicrobiana de tamanho molecular, que é certificada globalmente como segura para uso.

No Brasil, o IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas) aponta que o país ainda precisa se posicionar mais claramente sobre a nanotecnologia antimicrobiana. O entendimento é que ainda faltam trabalhos científicos que avaliam os efeitos dessas partículas extremamente pequenas nas células do corpo humano ou na natureza.

Edna ressalta que “as nanopartículas podem ser bem-vindas em alguns casos, como na indústria de cosméticos. Por serem tão pequenas, chegam a entrar nos poros da pele humana e podem acelerar os resultados. Uma nanopartícula de colágeno é muito bem-vinda na pele. Mas ainda há muitas perguntas não respondidas quando se trata de nanopartículas biocidas em utensílios domésticos que têm contato direto com pessoas e alimentos ”.

Para mais informações sobre as tecnologias antibacterianas do Microban, visite www.microban.com/pt.